InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-se  

Compartilhe
 

 Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Ir em baixo 
AutorMensagem
DuxBellorum

DuxBellorum

Número de Mensagens : 1243
Data de inscrição : 03/03/2007

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa Empty
MensagemAssunto: Ciberdúvidas da Língua Portuguesa   Ciberdúvidas da Língua Portuguesa EmptyQui Out 25, 2007 8:07 pm

Vale mesmo a pena consultar este sítio. É um espaço recorrente para qualquer pessoa que queira melhorar a sua competência linguística.

http://ciberduvidas.sapo.pt/

_________________
Ciberdúvidas da Língua Portuguesa Bannerfinalui8

Nihil est incertius vulgo, nihil obscurius voluntate hominum, nihil fallacius ratione tota comitiorum.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
strasser



Número de Mensagens : 1533
Data de inscrição : 11/03/2007

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa Empty
MensagemAssunto: Re: Ciberdúvidas da Língua Portuguesa   Ciberdúvidas da Língua Portuguesa EmptySex Out 26, 2007 2:32 am

Recomendo, como instituição indispensável nesrta área., a Sociedade de Língua Portuguesa.

http://www.slp.pt

PARA UMA POLÍTICA DE LÍNGUA PORTUGUESA
A criação de uma política eficaz de Língua Portuguesa é uma necessidade que desde há muito se faz sentir. Na verdade, poucos são os que, em consciência, têm exaltado a necessidade de uma acção concertada com o objectivo concreto de defender e divulgar um idioma no qual foram escritas algumas das melhores obras da literatura universal. Para melhor se adaptar às mutações (e, por vezes, agressões) de que tem sido alvo, a Língua necessita que sobre ela se faça uma profunda reflexão. Não basta falar-se, em abstracto, de uma Política de Língua. Esta expressão, já gasta, traduz mais o mediatismo do significante do que a essência do significado, sendo esta última vertente a que na realidade importa.
Perante tal cenário, é necessário reunir, à mesma mesa, todos os agentes interessados em formular propostas concretas e credíveis, sem as quais será impossível criar um clima de diálogo sério sobre este tema. É necessário, de uma vez por todas, consciencializar as diversas entidades responsáveis para a urgência de se estabelecer um conjunto de preceitos destinado a constituir a base de uma política séria e responsável neste domínio, à semelhança do que acontece em alguns países europeus.
É neste contexto que a Sociedade da Língua Portuguesa (SLP) deve assumir as suas responsabilidades, conferindo ao problema o necessário pendor formativo. Todos conhecemos o duro combate que desde há vários anos é travado, pelas sucessivas direcções desta Sociedade, no sentido de procurar defender e divulgar o idioma pátrio. Como sobejamente conhecidas são, também, as inúmeras carências que têm entravado a realização deste projecto. De facto, é constrangedor que um Estado dito de Direito, possuidor de instituições de natureza cultural e educacional, não proponha uma reflexão produtiva sobre esta temática. Claro que a Língua não rende votos nas eleições nem proporciona a obtenção de lautos proveitos, mas também é verdade que o índice civilizacional de um país não se mede apenas em termos macroeconómicos. Que fazer, então, se não se nos afigura, a breve trecho, cenário mais favorável?

* Dotar os diversos organismos que pugnam pela Língua de capacidade financeira e logística para, dentro de um quadro de competências bem definido, e de acordo com as directrizes emanadas dessas mesmas jornadas, levar a cabo as missões atribuídas. Tal medida radica na necessidade de reestruturar a organoléptica dos diferentes organismos, adaptando os recursos humanos e materiais existentes às futuras necessidades.

* Dinamizar acções de formação e/ou actualização de todos os profissionais que utilizam na sua actividade a Língua Portuguesa.

* Promover medidas que condicionem a utilização abusava de estrangeirismos, os quais, quando em excesso, comprometem a vernaculidade da Língua e a inteligibilidade dos conteúdos veiculados. Neste contexto, parece-nos viável a atribuição de competências à SLP, que, na qualidade de organismo de utilidade pública, poderia desempenhar um papel regulador com a necessária idoneidade, desde que devidamente apetrechada a vários níveis. Convém salientar que o reconhecimento do estatuto de utilidade pública não se deve limitar à atribuição de diplomas de louvor de mérito, mas sobretudo à captação de vocações latentes para fins sociais e de engrandecimento nacional.

* Encarar o ensino da Língua Portuguesa e o de disciplinas que poderemos designar de nucleares (a História e a Filosofia) como o fundamento de uma consciência nacional que urge incrementar. Esta medida radica na verificação de que a ausência de identidade histórico-linguística, aliada à deficiente capacidade de arquitectar ideias e formular questões, muito têm contribuído para a inexistência de um espírito de verdadeira coesão em torno das questões da Língua. Não basta assumir medidas pontuais para solucionar questões que se agravam a cada ano que passa. Como não basta ensinar gramática quando erros de raciocínio comprometem a elaboração da frase mais simples.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.fascismoemrede.blogspot.com/
 
Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: TEMAS :: Língua Portuguesa-
Ir para: