InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-se  

Compartilhe
 

 Origem e Evolução do Português

Ir em baixo 
AutorMensagem
Lusa

Lusa

Número de Mensagens : 708
Data de inscrição : 02/04/2007

Origem e Evolução do Português Empty
MensagemAssunto: Origem e Evolução do Português   Origem e Evolução do Português EmptyQua Nov 07, 2007 7:41 pm

DO INDO-EUROPEU AO LATIM

O indo-europeu era uma língua muito antiga, que espalhou os seus ramos por vastas regiões da Ásia e por quase toda a Europa. Do indo-europeu resultaram, entre outras línguas, o hitita, o arménio, o albanês, o eslávico, o helénico, o germânico, o céltico e o itálico. Foi o itálico que originou o latim, úmbrio, venético e osco.

_________________
Nos liberi sumus, Rex noster liber est, manus nostrae nos liberverunt
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
strasser



Número de Mensagens : 1533
Data de inscrição : 11/03/2007

Origem e Evolução do Português Empty
MensagemAssunto: Re: Origem e Evolução do Português   Origem e Evolução do Português EmptyQui Nov 08, 2007 3:01 am

Sobre esses assuntos indo-europeus e linguísticos recomendo acima de tudo que se conheça Geoges Dumézil:

Filólogo e historiador das religiões, Georges Dumézll (1898-1980) é uma das maiores figuras das ciências humanas francesas. Dotado de uma cultura enciclopédica e de uma curiosidade que o levou, por causa de suas pesquisas, a aprender quarenta línguas, Georges Dumézil dedicou toda sua vida a trazer à luz o fundo cultural comum aos povos indo-europeus. Sua obra de síntese Mythe et Epopée (1)- vasta compilação de lendas, contos e mitos acompanhados de análises - leva-nos ao cerne das teses desse arqueólogo da civilização indo-européia.
Monumental e solitária, a obra de Georges Dumézil marcou profundamente as pesquisas sobre a civilização indo-européia que os filólogos descobriram no século passado. Os indo-europeus não constituem um povo que se possa encontrar na história, porém representam uma hipótese baseada no parentesco fundiário das línguas faladas entre a Inglaterra e os confins da Índia.
A partir dessa idéia de que existe uma grande comunidade indo-européia, Georges Dumézil vai descobrir, através de um estudo comparado das religiões, dos mitos, dos relatos e dos tipos de organização social, uma forma de pensamento e de representação do mundo comum a todos os povos indo-europeus.
Empírico, o trabalho de Georges Dumézil repousa numa imensa erudição. A partir de textos de línguas escandinavas, celtas, gregas, romanas, caucasianas, iranianas e indianas, esse arqueólogo da civilização indo-européia observa que todos esses povos representam as funções que permitem a vida em sociedade em três categorias: as funções soberanas e religiosas (o espiritual), as funções guerreiras (a força física) e econômicas (a fecundidade). Ele demonstra assim que essa "ideologia tripartida" estrutura a organização sócio-religiosa mas também o imaginário dos indo-europeus.
http://www.georgesdumezil.org/


Última edição por em Qui Nov 08, 2007 5:39 am, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.fascismoemrede.blogspot.com/
Lusa

Lusa

Número de Mensagens : 708
Data de inscrição : 02/04/2007

Origem e Evolução do Português Empty
MensagemAssunto: Re: Origem e Evolução do Português   Origem e Evolução do Português EmptyQui Nov 08, 2007 4:40 am

Caro Strasser, obrigado pela divulgação desse texto muito útil e interessante sobre Georges Dumézil.

_________________
Nos liberi sumus, Rex noster liber est, manus nostrae nos liberverunt
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lusa

Lusa

Número de Mensagens : 708
Data de inscrição : 02/04/2007

Origem e Evolução do Português Empty
MensagemAssunto: Re: Origem e Evolução do Português   Origem e Evolução do Português EmptyDom Nov 11, 2007 8:02 pm

O LATIM VULGAR

O latim foi inicialmente falado numa pequena região, o Lácio, que tem Roma como capital, e passou depois a ser falado pelos povos que os romanos conquistaram durante a época imperial. Os cidadão romanos que se espalhavam pelos territórios conquistados eram sobretudo soldados, comerciantes, funcionários públicos, os quais falavam uma linguagem popular que era própria de classes menos instruídas - o latim vulgar. Foi este latim de cariz popular que esteve na origem das várias línguas locais, entre elas o português. Além do latim vulgar havia ainda o latim clássico que era escrito e falado e que era a língua usada pelas pessoas cultas.

_________________
Nos liberi sumus, Rex noster liber est, manus nostrae nos liberverunt
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
DuxBellorum

DuxBellorum

Número de Mensagens : 1243
Data de inscrição : 03/03/2007

Origem e Evolução do Português Empty
MensagemAssunto: Re: Origem e Evolução do Português   Origem e Evolução do Português EmptyDom Nov 11, 2007 8:06 pm

Há uma gramática do latim, do tempo do Império Romano, que contém os erros mais comuns. Nessa secção podemos encontrar palavras que mais tarde fariam parte do léxico do português. É muito interessante constatar que os erros de uma língua deram origem a um novo idioma.

_________________
Origem e Evolução do Português Bannerfinalui8

Nihil est incertius vulgo, nihil obscurius voluntate hominum, nihil fallacius ratione tota comitiorum.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lusa

Lusa

Número de Mensagens : 708
Data de inscrição : 02/04/2007

Origem e Evolução do Português Empty
MensagemAssunto: Re: Origem e Evolução do Português   Origem e Evolução do Português EmptyDom Nov 11, 2007 8:23 pm

DuxBellorum, isso é muito interessante. Já agora, deixo um post sobre as línguas românicas, nas quais se inclui o português.

AS LÍNGUAS ROMÂNICAS

Como os romanos alargaram o império e tinham uma cultura superior, a sua língua impôs-se às dos povos vencidos. No entanto, as línguas já existentes nas diversas regiões exerciam também bastante influência sobre o latim, o que fez nascer as línguas novilatinas ou românicas:
o português (em Portugal), o espanhol (na Espanha), o catalão (na Catalunha), o francês (na França), o provençal (na Provença, antiga região da França), o italiano (na Itália), o romeno (na Roménia) e outras ainda com menos importância.

_________________
Nos liberi sumus, Rex noster liber est, manus nostrae nos liberverunt
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lusa

Lusa

Número de Mensagens : 708
Data de inscrição : 02/04/2007

Origem e Evolução do Português Empty
MensagemAssunto: Re: Origem e Evolução do Português   Origem e Evolução do Português EmptyTer Nov 13, 2007 6:22 pm

VIA POPULAR E VIA ERUDITA DO LATIM

O latim que esteve na origem das línguas românicas foi o falado pelas classes humildes, pelo povo, e assim a maioria das palavras latinas entraram na nossa língua por via popular. Essas palavras eram faladas por toda a gente de modo espontâneo e por isso sofreram muitas modificações fonéticas ao longo dos séculos. A partir do século XIV, e sobretudo a partir do século XVI, com o Renascimento, os estudiosos aprofundaram os seus conhecimentos e muitas vezes recorreram à criação de novas palavras portuguesas provenientes directamente do latim clássico. Estas palavras, criadas tardiamente, e oriundas da via erudita ou culta, não têm uma transformação tão grande como as oriundas da via popular que estão na origem do português.

_________________
Nos liberi sumus, Rex noster liber est, manus nostrae nos liberverunt
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
strasser



Número de Mensagens : 1533
Data de inscrição : 11/03/2007

Origem e Evolução do Português Empty
MensagemAssunto: Re: Origem e Evolução do Português   Origem e Evolução do Português EmptyQua Nov 14, 2007 8:19 am

A LÍNGUA PORTUGUESA - essa desconhecida

A imprensa, quer falada quer escrita, tem vindo, com uma fúria ignorante e pedante, a destruir diária e sistematicamente a língua portuguesa, como se de bicho daninho se tratasse. Esta acção perniciosa a que todos nós assistimos, mais ou menos impávidos, não é nova: vem já de há longos anos, embora seja agora mais visível e atrevida e, sobretudo, ainda mais ignorante. Escritores que amaram a nossa língua, com o amor que ela devia merecer de todos nós, chamaram vezes sem conto a atenção para este facto. Para só citarmos alguns, de entre mortos e vivos, lembramos os Profs. Agostinho de Campos e Rodrigo de Sá Nogueira e os escritores Tomaz de Figueiredo, João de Araújo Correrá e Domingos Monteiro. Mas muitos outros, directa ou indirectamente, lutaram com denodo por esta língua que ainda hoje também nós queremos que seja portuguesa.
É evidente que quando dizemos que a imprensa é responsável pela destruição sistemática da nossa lingua sabemos perfeitamente que não têm os jornalistas essa intenção clara e determinada. Mas há - e é necessário dizê-lo e repeti-lo até à saciedade - ignorância, muita ignorância, que faz com que esses mesmos jornalistas contribuam, de facto, para a destruição da língua portuguesa. O cuidado que seria necessário ter na redacção das notícias desapareceu; e o improviso atabalhoado, a que chamam muitas vezes à-vontade, redunda quase sempre num chorrilho de lugares-comuns ou de frases mal sonantes e de trazer por casa, no verdadeiro sentido da expressão.
Além disso, em nome de uma mal interpretada fidelidade ao pensamento do entrevistado, publicam-se respostas onde proliferam os solecismos, abundam os estrangeirismos e campeiam os neologismos desnecessários. Quanto às frases ocas e vazias de qualquer significado, que de há anos para cá toda a gente usa e ninguém sabe ao certo o que significam, é melhor nem falar, porque estão a tornar tragicamente ridículas as pessoas que as proferem. O pretensiosismo leva os que não conhecem a língua que dizem sua a começar todas as frases por "pois", a terminá-las por "e não só" ou "já" e a pôr-lhes no meio, à cautela, "salvo melhor opinião". E como o disparate se propaga assustadoramente depressa, temos qualquer dia todo este Portugal a falar por chavões, por lugares-comuns, por frases estereotipadas que ninguém sabe o que querem dizer mas toda a gente, pedantemente, finge entender.
Como se isto não bastasse para liquidar sumária e ingloriamente a língua de Camões - porque, não convém esquecê-lo, esta é a língua de Camões, autor de "Os Lusíadas", actualmente mais de fama universal que nacional -, fez-se uma reforma do ensino em que a língua, uma vez mais e ainda, foi vítima de uma falta de senso e de cuidado que, se não é criminosa, para lá caminha. A pretexto de actualizar os programas de Português do ensino secundário, ideia que já vinha pelo menos do ano lectivo de 1971-72, puseram-se de lado as breves mas tão necessárias noções da lingua latina - de onde, por espantoso que pareça, provém a língua portuguesa; deu-se demasiada importância às chamadas "noções de carácter linguístico", que os alunos dificilmente entendem porque mal preparados e os professores com dificuldade ensinam; valorizou-se de tal modo a criatividade dos alunos que estes, sem bases de qualquer espécie, tornaram-se incapazes de escrever uma simples carta à familia; e, por fim - embora seja dos pontos mais importantes - "sanearam-se", como agora se diz, os clássicos, ou seja, os que deviam ser ensinados nas classes, substituindo-os por textos de maus escritores ou de indivíduos cujo único lugar era na carteira dos alunos, presidindo a esta escolha o critério ideológico e não o cultural ou o literário. Perante isto, só por verdadeiro milagre podem os alunos das nossas escolas saber falar e escrever correctamente a língua portuguesa. E os milagres não surgem todos os dias, nem mesmo todos os anos lectivos, porque senão deixariam de ser milagres.
O povo - de quem tanto se fala agora a propósito e a despropósito - o povo simples onde foram os nossos maiores escritores buscar palavras e expressões, e que durante anos guardou, como se fora relíquia, a pureza e a graciosidade da nossa língua, também ele se deixou corromper pelos que vinham da cidade ou do estrangeiro e cuja fala viciada se difundiu com a celeridade com que o erro normalmente se propaga. Depois, foi a imprensa que chegou a toda aparte e tudo se perdeu. "Houve tempo em que o povo foi mestre da língua. Hoje, corrompido pelo mau locutor e pelo mau escritor, é um vaso de tolices", disse João de Araújo Correia no seu livro sintomaticamente chamado "Enfermaria do idioma". Um livro a ler e a reler, pelos que ainda amam esta língua.
Defender a língua portuguesa pode parecer pregar no deserto ou falar a surdos. Mas às vezes, quando não querem os homens ouvir a voz da razão, é necessário pregar no deserto ou falar a surdos. Foi por isso que Santo António foi pregar aos peixes: e só então os homens o ouviram.
É urgente defender a língua portuguesa. A língua portuguesa que se está a transformar na imagem falada de um país destruido. E se queremos realmente que os nossos filhos amanhã não se envergonhem de nós, comecemos já hoje por amar, por falar e por escrever a nossa língua como ontem a amaram, a falaram e a escreveram todos aqueles que a difundiram por todo o mundo e no-la legaram para sempre.

(António Leite da Costa)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.fascismoemrede.blogspot.com/
Conteúdo patrocinado




Origem e Evolução do Português Empty
MensagemAssunto: Re: Origem e Evolução do Português   Origem e Evolução do Português Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Origem e Evolução do Português
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: TEMAS :: Língua Portuguesa-
Ir para: